22maio

Raphael Menezes: com a Titan Sports, treinamento de excelência no interior paulista

Diretor e treinador da Titan Sports, assessoria de triathlon com sede em São Carlos-SP, Raphael Menezes sempre foi atleta. Começou muito cedo, praticando natação no Rio de Janeiro. Incluir a corrida e o ciclismo em sua rotina de treinos e partir para o triathlon foi questão de tempo.

“Eu ainda era muito novo, mas já sabia que gostaria de viver do esporte e tentar uma vaga olímpica. Eu amava nadar, mas nunca tive destaque suficiente para me profissionalizar na natação. Quando eu tinha 20 anos, um amigo me convidou para fazer um biathlon na Urca. Lembro que fui bem no treino e como gostava de correr e já tinha uma boa natação, me animei para começar a fazer triathlon”, conta Raphael.

O atleta morava no Rio, onde uma geração de ouro do triathlon já deixava de competir no alto rendimento. Ao mesmo uma outra geração surgia.

“Eram atletas muito bons e estar no meio deles me fortaleceu muito. Eu tinha que, literalmente, correr atrás para me destacar. Em 2009 resolvi me mudar para São Carlos-SP e me dedicar somente ao triathlon. Com dedicação exclusiva, melhorei e comecei a me posicionar entre os principais atletas do país. Ali eu estava realizando um grande sonho, que era viver do esporte e não mais sobreviver como foram os anos anteriores”, diz o atleta, treinador e hoje também empresário, lembrando que em 2010 o sonho olímpico o fez se afastar um pouco das provas longas.

A vaga olímpica não veio, mas no lugar dela, Raphael recebeu o convite para integrar um time norte-americano de triathlon.

“Aproveitei esta experiência durante dois anos. Conviver com alguns dos principais atletas do mundo foi um grande aprendizado”, confessa.

Com um pouco mais de experiência, Raphael Menezes resolveu empreender e no final de 2012 criou a Xports, primeiro nome dado à Titan Sports. O crescimento foi rápido, embora Raphael ainda focasse mais nos em seus treinos pessoais.

“Só em 2014, quando a Xports se transforma em Titan, eu consegui focar 100% em desenvolver a marca e atender aos atletas. Naquela época, mesmo com excelente qualidade de vida e ótimas condições para a prática do triathlon, São Carlos contava com pouquíssimas assessorias esportivas”.

Desde então, Raphael preparou muitos atletas para diversos tipos de provas, entre elas com a distância ironman. Mas como treinador e atleta, ele foca o seu trabalho em dar às pessoas que o procuram condições de praticar esporte por muitos anos.

“Já treinei muitos atletas para provas de Ironman, não sei ao certo quantos. Porém, foco muito meu trabalho na consciência das pessoas para a prática da atividade física. Não importa a distância, se é correr 5K ou fazer um Ironman. O importante é que todos tenham objetivos, busquem o condicionamento físico adequado para isso, deem continuidade à prática para o resto de suas vidas e estejam saudáveis e felizes com o esporte”.

No caso específico do treinamento para as provas longas de triathlon, nunca é fácil para o atleta amador conciliar os treinos com a vida profissional, familiar e, eventualmente, acadêmica. Para Raphael, quem já quer começar com provas longas como o ironman ou a maratona não tem ideia do que está fazendo e dificilmente alcança seus objetivos.

O atleta que já quer começar no Ironman ou na Maratona, normalmente não sabe o que está fazendo! nesses casos, a maioria acaba desistindo de continuar!

“Na Titan, muitos começaram de forma leve e aos poucos vão se envolvendo com o esporte e procurando novos objetivos. Costumo apontar três grandes desafios para uma jornada de sucesso. Primeiro é ter paciência para encaixar a rotina de treinos dentro da semana. Às vezes o atleta até tem o tempo necessário para treinar, mas não consegue cumprir por falta do tempo para descansar. Achar o ritmo certo e se adaptar à nova rotina, demora um pouco. Segundo, é filtrar as informações que recebe de todos os lados. Muitas vezes o atleta escuta muita abobrinha e fica sempre questionando, principalmente quando não está rendendo o que gostaria. Isso faz com que perca o foco e desanime. O mais importante é que ele confie no seu trabalho e foque em executar o que foi pedido. Por último, é se cobrar menos. Muitos se cobram já em pouco tempo de treino. É preciso entender que é importante ter anos de treinamento acumulado para se ter bons resultados”.

Fazer com que o atleta entenda e aceite estes argumentos realmente não é uma tarefa fácil, mas Raphael se vale de ter sido atleta profissional e ainda praticar a modalidade para entrar na cabeça de seus atletas.

“Saber como funciona, na prática, é realmente um diferencial. Ajuda muito. Acho que o atleta profissional enxerga os treinos com um pouco mais de ‘simplicidade’. O profissional executa mais e questiona menos, além de não se prender muito ao material para garantir a performance. Muitas vezes só se trabalha com o que tem na mão.  Tendo essa consciência, acredito que consigo passar melhor para meus alunos a necessidade do ‘pouco’ para praticar a atividade que quiser e curtir mais a jornada”.

______________________________________________________________________________

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *